contador de visitas

quarta-feira, março 17, 2010

O dia em que Paris afundou
Kelly de Souza

Água por todos os lados, esgotos transbordando, túneis submersos, pânico, pessoas perdidas nas ruas, polícia ajudando, bombeiros salvando, barcos de resgate…
Não, não estamos falando de São Paulo , ou do Rio da semana passada, ou de Belo Horizonte, mas de Paris. Isso mesmo, há 100 anos, Paris conheceu uma das maiores inundações de sua história. O Rio Sena, o belo Sena, invadiu a cidade atingindo 20 metros acima do seu nível normal. Em 28 de janeiro de 1910 Paris parou, e literalmente afundou.
Depois de uma chuva intensa durante quase todo o mês, a capital francesa foi saturada pelo Sena e simplesmente imergiu como não se via desde o ano de 1650.
Segundo dados da época, a força das águas subterrâneas destruiu mais de 20 mil edifícios deixando mais de 200 mil parisienses sem teto.
A eletricidade (nova na época) desapareceu, os túneis do metrô (novos para a época) foram inundados e a cidade ficou em ruínas, mesmo depois de semanas do dilúvio de 28 de janeiro.

Tudo começou em 20 de janeiro, quando a navegação no rio foi interrompida.

No sábado, 22, o metrô foi inundado e dois dias depois o nível das águas chega a mais de 7 metros . Na noite de 24, usinas químicas em Ivry explodem em contato com as águas, e em 25 de janeiro todas as bombas de água do rio estão completamente paralisadas.

Só em 2 de fevereiro a praça Palais Bourbon conseguiu emergir.

A inundação durou 45 dias e os prejuízos superaram 400 milhões de francos (algo perto de 1,5 bilhão de dólares em moeda recente).

Por ocasião do centésimo aniversário do dilúvio, o escritor e professor Jeffrey H. Jackson capturou, pela primeira vez, o drama dos acontecimentos daquele 28 de janeiro.
Recém-lançada, a obra “Paris Under Water: How The City Of Light Survived The Great Flood Of 1910” narra uma das mais brutais lutas de uma cidade contra a natureza das chuvas.
Quem gosta de Paris não pode deixar de ver as fotos da época

Cem anos depois, Paris aprendeu e nunca mais passou por algo perto do que ocorreu.

E nós, aprendemos com nossos dilúvios diários?



2 comentários:

Anônimo disse...

Beleza de apresentação

Fatima disse...

Oi achei, eu gostei muito parabens, bjs fatima reis